Roberto Arlt

Roberto Arlt (1900-1942) é um dos grandes fundadores da moderna narrativa argentina. Nasceu em Buenos Aires, no modesto bairro de Flores, e dividiu a sua vida de escritor com a de inventor. Esperava ganhar fama e fortuna através de um golpe de sorte no seu laboratório, tal como a personagem Remo Erdosain de Os Sete Loucos, nunca imaginando que a sua fama futura estava no seu trabalho como escritor. O ambiente das ruas, que Arlt tão bem conhecia, e a sua amizade com rufias, falsificadores e criminosos foram inspiração para alguns dos seus melhores textos. O seu primeiro livro, El Juguete Rabioso (1926), é o relato quase autobiográfico da sua adolescência na caótica Buenos Aires dos anos 20. Em 1929, publica aquela que será considerada a sua obra maior e ponto de viragem nas letras argentinas, o profético romance Os Sete Loucos. A sua continuação será o romance Los Lanzallamas, de 1931. A par da novelística, muitas das melhores páginas de Arlt foram publicadas em jornais, especificamente, as suas Aguafuertes Porteñas, publicadas diariamente, entre 1928 e 1935, no diário El Mundo, e, mais tarde, fruto de viagens a Espanha, as suas Aguafuertes Españolas.

Livros do autor

Os Sete Loucos

Roberto Arlt

«Os sete loucos» é considerado um dos romances que inauguram a moderna literatura argentina e fonte de inspiração para autores como Cortázar, Sábato e Onetti.