• Autor Halldór Laxness
  • Ilustrador
  • Coleção Ficção Traduzida
  • ISBN 9789896231644
  • PVP 22,99 € (IVA incluído)
  • preço livre
  • 1ª Edição outubro 2017
  • Edição atual 3.ª
  • Páginas 448
  • Apresentação
  • Dimensões 150 X 225 mm
  • Idade

No final do século XVII, o emissário e carrasco do rei da Dinamarca recebe ordens para confiscar o sino de Þingvellir, velho símbolo da independência islandesa, e para o levar desmantelado em peças até Copenhaga.

Jón Hreggviðsson, um agricultor pobre e rude, a braços com a lei pelo roubo de corda, é acusado do seu homicídio e condenado à morte. A sua atribulada fuga e o longo processo que se seguirá ocupará a justiça durante mais de 30 anos. Arnas Arnæus, erudito e bibliotecário islandês, que percorre o seu país para encontrar os fragmentos desaparecidos da Edda em verso - os poemas épicos fixados no século XIII envolve-se num caso amoroso com Snæfríður, a filha do magistrado que viria a condenar Jón.

Como os caminhos destas personagens se cruzarão é o que nos conta Halldór Laxness que, com mão de mestre, transforma a história de O Sino da Islândia numa homenagem à tradição heroica islandesa, usando como cenário reais conflitos políticos e sociais ocorridos de 1650 a 1790 entre a potência dinamarquesa e a oprimida colónia islandesa. O Sino da Islândia, pela primeira vez traduzido para português, foi aclamado como uma das obras maiores do prémio nobel islandês, tendo sido adaptado pelo próprio autor ao teatro, numa peça de clamoroso sucesso.

Halldór Kiljan Laxness nasce em 1902 e torna-se uma lenda no seu próprio tempo. Em 1955 é galardoado com o Prémio Nobel de Literatura.

Logo em 1927, aquando da publicação do romance Vefarinn mikli frá Kasmír (O Grande Tecedor de Cachemira), considerado por muitos o primeiro romance moderno islandês, um crítico escreve sobre ele: «Finalmente! Finalmente! A Islândia tem um novo grande escritor.» A partir daí seguem-se várias obras-primas: Gente Independente (1934); Heimsljós (A Luz do Mundo) (1937); O Sino da Islândia (1943); Os Peixes Também Sabem Cantar (1957); Paradísarheimt (Paraíso Reclamado) (1960); Kristni hald ndir Jökli (Cris­tandade Debaixo do Glaciar) (1968).

Para além de romances, Laxness escreveu também contos, ensaios, teatro, poesia e vários textos autobio­gráficos. A sua obra encontra-se traduzida em mais de 45 línguas e publicada em mais de 500 edições, com enorme sucesso em todo o mundo. Halldór Laxness é um verdadeiro mágico com as pala­vras. Detém uma espantosa gama de estilos e de temas e consegue sempre surpreender o leitor através de uma imaginação inesgotável e de recursos técnicos arrebatadores. Falece aos 96 anos, consagrado como um dos maiores escritores de sempre.





Outros livros do mesmo autor

Os Peixes Também Sabem Cantar

Halldór Laxness

Os Peixes Também Sabem Cantar, é um dos livros mais marcantes do prémio Nobel islandês.

Gente Independente

Halldór Laxness

Gente Independente tem lugar na Islândia, no início do século XX, numa sociedade de servidão e num país com uma natureza inclemente. É a saga de Bjartur, um homem obstinado, inquebrável e inesquecível.