• Autor Juan Rulfo
  • Ilustrador
  • Coleção Ficção Traduzida
  • ISBN 9789896232337
  • PVP 15,29 € (IVA incluído)
  • preço livre
  • 1ª Edição junho de 2017
  • Edição atual 3.ª
  • Páginas 172
  • Apresentação capa mole
  • Dimensões 150 X 225 x 13 mm
  • Idade

«Álvaro Mutis subiu, a passos largos, os sete pisos da minha casa comum pacote de livros, separou do monte o mais pequeno e curto e disse-me, morto de riso: - Leia isto, carago, para que aprenda! Era Pedro Páramo. Nessa noite não consegui adormecer enquanto não terminei a segunda leitura. Nunca, desde a noite tremenda em que li A Metamorfose, de Kafka, numa lúgubre pensão para estudantes em Bogotá - quase dez anos antes -, eu sofrera semelhante comoção (...).

«Não são muito mais de 300 páginas, mas são quase tantas, e creio que tão perduráveis, como aquelas que conhecemos de Sófocles.» Do texto introdutório de Gabriel García Márquez, Prémio Nobel de Literatura

A obra de Juan Rulfo influenciou de forma decisiva autores distinguidos com o Prémio Nobel de Literatura, como Gabriel García Márquez e Octávio Paz.  

«Um dos livros mais influentes do século.» - Susan Sontag

«Pura criação, dessas que fazem perder o fôlego como se o ar ficasse envenenado.» - Hélia Correia

«Um monumento da história da literatura.» - António Manuel Venda, Magazine Artes  

Juan Rulfo (México, 1917-1986) é talvez o autor sul-americano mais comentado, elogiado e imitado do século xx. Toda a sua obra literária conhecida, que reunida pouco ultrapassa as 300 páginas, é considerada como fundadora, origem de uma nova forma de literatura, que deu lugar a escritores como Gabriel García Márquez, um dos seus mais famosos e reconhecidos devedores.

De Pablo Neruda a Carlos Fuentes, de Octávio Paz a Jorge Luis Borges e Juan Carlos Onetti, abundam os testemunhos de admiração dos seus pares e o assombro e desconcerto da crítica. Em contraste com este enorme rumor a rodear a escassa obra de Rulfo, está o silêncio em que desapareceu o escritor desde a publicação, em 1955, de Pedro Páramo e até à sua morte, em Janeiro de 1986. Silêncio este apenas interrompido pela revelação esporádica, por parte de jornalistas, da iminente “saída” de uma nova novela, La cordillera, que acabou por se tornar mítica. As tentativas de explicar esta prematura interrupção da escrita de um dos mais marcantes escritores contemporâneos no auge da sua fama contribuiu para aprofundar a «lenda Rulfo», não faltando comparações com a de Rimbaud.





Outros livros do mesmo autor

Obra Reunida

Juan Rulfo

Este livro oferece ao leitor português, num único volume, o conjunto da obra de Juan Rulfo.

O Galo de Ouro e Outros Textos Dispersos

Juan Rulfo

«O galo de ouro» descreve a vertigem do jogo, do amor e da sorte a partir da história de Dionísio, um treinador de galos de luta surgido do nada que se torna uma figura incontornável do submundo.

A Planície em Chamas

Juan Rulfo

Camponeses que lutam pela subsistência, caciques brutais e revolucionários sanguinários coexistem num cenário semi-desértico carregado de injustiça, violência e morte.

O Galo de Ouro

Juan Rulfo

Ao decidir salvar um galo dourado moribundo, Dionisio, de camponês pobre e miserável tornar-se-á um homem rico, conseguindo atrair para os seus braços La Caponera, mulher sensual e fascinante, objecto do desejo de todos.